Coisas da minha mona

Nova playlist no Youtube

lembrei-me de criar uma playlist no meu canal no YouTube que contenha todo o conteúdo relacionado com as minhas investigações sobre multicopters. podem ver aqui todos os vídeos ordenados cronologicamente onde aparece a evolução desde o bicopter original até ao tricopter na sua versão actual. diz que está na moda criar estas coisas de modo a dar aos visitantes uma melhor experiência de visualização do canal, tendo as coisas organizaditas.

adeus Dotclear, olá WordPress

estava planeado há séculos, mas faltou a paciência para o concretizar até agora. ontem do nada o blog começou a dar erros e resolvi migrar isto tudo de um lado para o outro. sei que se perderam links, imagens e outros media antigos, paciência.   o que interessa mesmo é o texto, as letras, as palavras e as ideias e continuar a escrever, que é o que dá vida ao blog

o disco mal prensado

ou como passei a odiar Scorpions em meados dos anos 80 do século passado, trabalhava eu numa pequena fábrica que “manufacturava” umas aparelhagens Hi-Fi da marca AKAI. Neste cenário idílico de pastos e campo entre Trajouce a Abóboda, produziam-se equipamentos segundo o maior rigor japonês. para contextualizar a geração corrente, por aparelhagem leia-se, um conjunto de: receptor de rádio, leitor e gravador de cassetes, gira-discos de vinil, amplificador e colunas. sim, está ausente o leitor de CD’s porque apesar de já ter sido inventado, não era comum ser comercializado em Portugal.

A teoria do chefe

(ou como ser criativo no uso de produtos de higiene feminina) Todos nós em algum ponto da vida tivemos um chefe. Bom ou mau, sabedor ou idiota, foi ele que comandou as tropas durante todo o tempo que esteve a cargo da “equipa”. Circula pela net uma imagem que distingue visualmente o chefe do líder. E é de líderes que precisamos, já chegam os chefes mesquinhos que grassam o nosso povo.

nove meses de silêncio

muito tempo sem escrever, tanto para dizer. continua a vida, o tempo não pára, tal como o arrastão continua a dragar o fundo do mar, sem se preocupar com as consequências. e continua, sem parar. mesmo. por estes lados as coisas teem andado, umas vezes melhor, outras vezes pior. houve sucesso na maioria dos casos, alguns falhanços pelo meio, não há que enganar. o maior sucesso foi sem dúvida a conclusão da licenciatura, em Outubro de 2013, após dois meses a dar no duro e com muita edição documental.

naquele dia

decidiu que já tinha trabalhado o suficiente, desligou o computador, disse um lacónico “até amanhã” aos colegas e saiu. em vez de usar o elevador, resolveu ir pelas escadas até à porta de saída, caminhou pelo parqueamento até onde tinha o carro estacionado. entrou no carro e suspirou “que dia!”. saiu do parque e conduziu sem rumo, pela estrada velha, pelo meio das povoações. a inquietude começou a assola-lo pois havia algo de muito errado com tudo o que se passava à sua volta.

a inventar desde 2010

December 8 2011, 4:54 AM by Luis Correia esta coisa de ter que estar constantemente a inventar nos escritos para a universidade, é coisa que me tem estado a irritar solenemente. e mais, aquela paranóia que eles têm pelas referências bibliográficas, o abuso puro pelos formatos idiotas de criar documentos, é pá, irrita-me. solenemente. mas pronto, para termos o tal canudo temos que seguir as idiotices académicas. estamos no final de 2011 e ainda há quem nos entregue documentos em papel, pois ‘é mais fácil de seguir’…

don’t

(November 8 2011, 8:13 AM by Luis Correia) over do it. that’s it really. try small, baby steps you’ll make it even if all odds seem to be against you if not sooner then eventually 😛

startups, rise and fall

no final da semana passada o mundo online ficou “chocado” com o anúncio de que o [posterous.com|posterous.com|en|posterous.com] iria encerrar as portas a 30 de Abril. nada que não fosse de espantar, já que quase tudo o que o twitter compra, ou é esmagado, aglutinado ou simplesmente extinto. portanto a partir de hoje irei colocar aqui, por ordem cronológica todos os textos que foram escritos no site stuff.loide.net, que era um posterous space.