Nissan LEAF – test drive

estava uma manhã muito fria em lisboa, 5C para ser mais exacto.

chegado ao local do test-drive, fui direccionado para o Pavilhão de Portugal onde estava situado o showroom.

lá dentro havia uma pequena exposição interactiva onde podiamos ir tomando conhecimento das características do carro, assim como um pequeno jogo para podermos testar as nossas capacidades de condução ecológica.

depois de ler e assinar o Termo de Responsabilidade e de ter mostrado a minha carta de condução, ofereceram-me um questionário de uma folha para preencher depois de ter feito o test drive, assim como um voucher.

saímos para o frio e andámos um pouco até o sitio onde estavam os carros estacionados.

entreguei o voucher para o test drive e a primeira pergunta que me fizeram foi no mínimo curiosa, “tem preferência pela cor do carro?”.

foi-me dada uma explicação muito breve sobre o funcionamento dos carros com caixa automática, dos quais eu já tenho alguma experiência, e depois de entender os pormenores especificos do carro,por exemplo o travão de mão electrico e o joystick para engrenar as mudanças, lá arranquei, devagarinho como convém, pois não fazía a mínima ideia do que esperar.

durante os primeiros minutos não deu para perceber muito as diferenças entre este carro e outro mais convencional. só quando pude ‘puxar’ por ele é que consegui ver as suas “cores verdadeiras”.

o binário disponível do motor é impressionante, não sei quantos segundos faz dos zero aos 100, mas que é brutal, é.

o sistema de navegação permite dar uma visualização do raio de alcance com a carga actual, incluindo os postos de abastecimentos públicos. como eu ia a conduzir, não pude ver em pormenor todos os aspectos deste sistema.

ao todo, devo ter conduzido o carro durante uns 20 minutos, e em que nos quais não consegui encontrar nada, mas absolutamente nada de negativo a dizer deste carro. a minha cara metade até comentou que o espaço nos bancos de trás era bastante satisfatório e que o conforto é maior do que em carros do mesmo segmento.

mas a “cereja no topo do bolo” foi mesmo apresentada no momento de estacionar. assim que seleccionei a marcha atrás, no painel multi-funções de 7″, surgiu a imagem de uma camera que está posicionada na traseira do veículo, permitindo assim efectuar a manobra sem recorrer aos espelhos. e ainda por cima, o computador de bordo sobrepõe um gráfico que “se mexe com o volante”, indicando assim o sitio onde o carro irá ficar, oo que ajuda ainda mais à manobra.

claro está, estacionei o carro a olhar para a monitor, confiando apenas na imagem da camera.

(isto para mim não é propriamente uma grande novidade, pois já tinha visto algo similar no Toyota Prius que pude conduzir há uns quatro anos atrás)

%%%

agora vamos ao que interessa, os números…

preço total, contando já com o incentivo do governo: 30250€ (mas não inclui as despesas administrativas nem as de transporte)

totalmente livre de ISV, no primeiro ano e para sempre

quanto aos custos do consumo, aqui é que os pormenores ficam mais vagos. como se trata do primeiro carro eléctrico a ser produzido em larga escala, ainda não há dados estatísticos para comprovar os números.

os valores que nos são apresentados têm como referência o custo de fazer 100Km.

nos carregadores de rua, de uso público, uma carga rápida de 30 minutos, terá um custo de quase três euros, e no carregador de rua para o lugar privado terá um custo de dois euros por noite.

é claro que estes valores são meramente indicativos e como apenas disponho da minha memória, a realidade pode ser diferente.

um pormenor interessante é que o carro tem um carregador lento incluido no preço, para o carregar em casa (garagem), basta uma instalação electrica apropriada.

será possível dizer que uma carga lenta de oito horas, com um contador bi-horário terá um custo de um euro e meio o que em média acresce 60 euros ao valor da factura mensal.

em jeito de conclusão, ficam mais uns números:

se considerarmos o curso de carga mais caro de todos e arredondado para cima, temos um custo de 0.03 € por cada quilómetro.

no meu carro a gasolina, cuja média ronda os 7.2lt/100Km, temos um custo de 0.09 € por cada quilómetro. em 5000Km, há direito a uma poupança directa de 318€, mas isso não é tudo.

temos que considerar que no carro electrico não há fluidos a substituir e as manutenções serão mais de recondicionar as baterias do que do resto. típicamente dizem que o custo da manutenção será perto de 15% inferior.

vai haver uma versão deste artigo no blog [aberto até de madrugada|http://abertomadrugada.com|pt], com fotos e um pequeno vídeo feito dentro do carro, até lá, divirtam-se

categorias: coisas da minha mona,