a quatro do meio

mais um dia,

ocorre uma vez em cada ano, inexoravelmente, como se fosse mesmo mesmo obrigatório,

o aniversário.

este ano em circunstâncias menos felizes, com muitas preocupações, com muitos pensamentos negativistas.

a vida troca-nos as voltas por vezes, não há nada a fazer.

essa coisa difícil, que tem um fim conhecido, a morte. nenhum de nós a quer, mas no fim, ela está lá, à nossa espera.

eu já tinha escrito várias vezes sobre este assunto no blog. o que está diferente agora é um familiar no limiar daquela palavra que nenhum de nós quer ouvir falar. terminal.

em resposta ao título do post, estou a quatro anos do meio século, não que eu queira, mas é assim que a vida me manda, à fava, à merda ou simplesmente à indiferença com que costuma tratar os humanos.

%%%

já me questionaram o porquê de não ter escrito nada desde agosto.

setembro tem sido um mês carregado de coisas boas e coisas más.

das coisas boas tenho os amigos. tanto os físicos como os virtuais, todos têm ajudado QB a superar os problemas da vida!

nas más, sinceramente não quero falar sequer.

o futuro adivinha-se negro, disso não tenho qualquer dúvida. só espero ter a força necessária para poder enfrentar os dias difíceis que se adivinham. calculo eu que deve acontecer tudo ao mesmo tempo, de forma a causar o maior impacto possível, em total respeito pela estúpida [Lei de Murphy|http://en.wikipedia.org/wiki/Murphy%27s_law|en].

mas espero que tudo corra pelo melhor, tenho muito amor do meu lado, com isso sei que posso contar!

parabens a mim, yay…

categorias: coisas da minha mona,