2 horas no Estoril

já foi certamente há mais de catorze anos que tive o previlégio de poder conduzir no Autódromo do Estoril.

foi um convite do José Manuel Costa, então um membro da familia e jornalista da revista Turbo. na altura, estavam a ser apresentadas à imprensa as novas séries 400 e 850 da Volvo.

não me tinha sido apresentada qualquer oportunidade de condução, pelo que supuz que seria apenas uma experiência de co-drive, e a primeira vez que visitaria o paddock e toda a zona interna do Autódromo.

no entanto e depois de algumas voltas com as máquinas de maior porte, os 850 GLT e T5, passamos para um 460 Turbo. devemos ter dado umas duas voltas e em que ele me diz que “bom, agora que já deves ter percebido a experiência de condução, com as trajectórias, pontos de travagem e coiso e tal, quando pararmos no paddock, dás a volta e vais tu conduzir sózinho”.

confesso que a primeira sensação foi de total pânico. mas lá fui dar umas voltas. gostei tanto que decidi que tinha que experimentar o 850 T5, na altura o carro mais potente que por lá andava (210cv).

depois de ter dado umas seis voltas, já a conduzir com uma velocidade e destreza considerável para um amador, lá me estava ele na linha da meta a fazer sinal para recolher ás boxes.

enfim, só tenho pena de naquela vez não ter conseguido tirar provas (fotografias) do evento, é que nem sequer me passou pela cabeça 🙂

2010 – Setembro – 10

através de um evento criado pela Nissan Portugal no Facebook, consegui ganhar um convite para a participação no Automotor Speed Day.

este convite consistia numa experiência de co-drive no Nissan GT-R e numa possibilidade de conduzir o Nissan 370Z Roadster.

como estou de férias, esta participação, além de ter dado discussão, implica numa viagem de 400km totais de viagem, só para ir e vir do local de férias.

e lá fui e vim…

ao chegar, fui surpreendido pela boa atmosfera do evento, embora ache que as coisas não estavam muito bem organizadas, mas foi só mesmo do lado da Nissan Portugal, que estava lá, mas era como se não fizesse parte do evento.

mas pronto, não correu mal. depressa descobri a box da Nissan e logo estabeleci contacto de forma a poder iniciar as minhas voltinhas…

gtr_m

 

aqui fica o vídeo da minha volta no Nissan GT-R (o áudio está um pouco mau e inclui a minha conversa com o piloto, com a minha habitual verborreia sobre os assuntos mais parvos).

depois, lá fiquei uns momentos a descomprimir as emoções, e arrefecer também, pois estava bastante calor, a preparar-me psicológicamente para mais uma vez conduzir neste circuito.

as experiências de condução deste evento seguiam regras iguais para todos as marcas e participantes, e consistiam em sair das boxes, passar uma vez pela recta da meta e parar novamente nas boxes, uma experiência deveras curta para o que eu esperava, mas mesmo assim… foi muito bom.

durante a volta com o instrutor, ele ia indicando os pontos chave, como a mudança a usar na entrada nas curvas, as trajectórias mais correctas, para que fossemos ir percebendo a lógica da condução.

claro que com a ‘sorte’ que eu tenho, durante a volta houve um carro que se atirou para a gravilha, fazendo aparecer a famosa bandeira vermelha, significando que a pista iria fechar para entrar o reboque e limpeza da pista.

o piloto não se importou muito com o facto, já que iriamos parar a seguir.

aproveitámos a pista fechada para ir abastecer e claro, como estávamos num roadster, fomos em estilo 🙂

n370z_m

depois desta peripécia lá fui, primeiro com a caixa automática (bela treta) em D que significa completamente em modo automático, mas que depressa pedi para mudar para as mudanças no volante, o que deu logo outra emoção à coisa 😉

e os seis ou sete minutos que passei na pista a conduzir, pareceram-me na altura tanto tempo…

acabada a participação pela Nissan, restava-me voltar para as férias…

e eis que me decido a perguntar na box da Fiat se poderia dar uma volta no Abarth 500, mesmo sem ter feito a inscrição… fui suficientemente convincente e lá me deixaram.

e neste carro foi tudo completamente diferente, muito menos potência no motor, mas uma experiência muito mais engraçada, dado que nas curvas este carro (de tracção dianteira) comporta-se como um kart.

 

abarth500_m

caixa convencional e embraiagem, com a manete das mudanças muito bem posicionada, boa posição de condução, deu para ficar a gostar muito mais do carro do que eu poderia esperar à partida.

ficam para já dois links para o website da Automotor, onde tem as galerias de fotos e videos.

(edit: os links referidos já não existem)

categorias: coisas da minha mona,