virtualização

o assunto hoje é muito caustico, preparem-se!

trata de uma prova de conceito muito em voga nos dias que correm que que consiste em tentar com que uma equipa funcione sobre os principios básicos da auto-gestão, mas indexado ao facto do chefe ser virtual. na verdade é muito simples, ora vejam:

1) nunca se fazem reuniões com toda a equipa a não ser que que haja indícios de motim,

2) cada colaborador é mantido na maior ignorancia possível,

3) o conceito de equipa está apenas no papel e no que se diz aos outros de fora,

4) nada é planeado préviamente,

5) trabalhar em cima do joelho passa a ser comum,

6) e tudo é excepção, logo a excepção passa a ser a regra,

7) para aborrecer o pessoal, dão-se umas tarefas sem nexo algum, só para entreter e distrair,

8) nada se faz no tempo certo, até ao ponto em que aquilo que alguem prometeu tem que ser mesmo feito,

9) e o importante são sempre os doutores e engenheiros, independentemente do que há para fazer.

10) já chega, voces estão a perceber a ideia

mas o que realmente chateia são as distribuições de tarefas por ‘trinta e um de boca’, como nada fica escrito, é depois dificil explicar o que se anda a fazer, pois não há provas. isso e as reuniões de corredor, que são explicadas pelo ponto 1. quando alguem avisa de algo que viu ou leu e que lhe parece relevante, é imediatamente mandado calar, pois estamos de facto a pisar nos pontos 2, 5 e 9. manda-se fazer algo a um e pergunta-se a outro se já está feito, pontos 2 e 3. “isto é extremamente urgente”, é um frase comum e cobre praticamente todos os pontos, com maior destaque para 1, 2, 4, 6 e 8.

todos estes exemplos são uma demonstração clara de que a virtualização é o futuro, não tenham dúvidas

p.s. havia muito mais para dissertar, mas como estou com fome, vou comer algo. pode ser que se estiver inspirado venha continuar 🙂

categorias: coisas da minha mona,